A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO/DO FALAR CACERENSE: UM ESTUDO DO USO DOS ALOFONES AFRICADOS [ʤ] E [ʧ]

LINGUISTIC VARIATION IN/OF THE CACERENSE SPEAKING: A STUDY OF THE USE OF THE AFRICATE ALOPHONES [ʤ] AND [ʧ].

Resumo

O presente artigo objetiva dissertar a respeito da variação linguística no falar cacerense, em suma, na observância dos alofones africados [ʤ] e [ʧ]. Na cidade de Cáceres, localizada no interior do estado de Mato Grosso, existem inúmeras variações linguísticas que ocorrem em lugares específicos devido à miscelânea de falares, tanto nativos, quanto de origem colonizadora. Por isso, a manifestação dos alofones africados, em determinados usos característicos da cidade, e, até mesmo da região, caracterizam o povo que mobiliza esse falar entre seus grupos sociais. Por meio da Teoria Sociolinguística, mobilizamos conceitos relevantes no que se refere ao componente em questão, bem como descrevemos e analisamos alguns usos recorrentes na cidade, não somente por falantes citadinos, mas também, por falantes do entorno urbano.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutorando em Linguística pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Linguística e Literatura (PPGLL), da Universidade Federal de Alagoas (UFAL-2021-2024). Mestre em Linguística pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Linguística (PPGL), da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat-2019-2021). Graduado em Licenciatura em Letras Português/Inglês/Literaturas, pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat-2015-2019).

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda em Linguística pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Linguística (PPGL), da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat). Graduada em Licenciatura em Letras Português/Inglês/Literaturas, pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat-2018).

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda em Linguística pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Linguística (PPGL), da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat). Graduada em Licenciatura em Letras Português/Inglês/Literaturas, pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat-2018).

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda em Linguística pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Linguística (PPGL), da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat). Graduada em Licenciatura em Letras Português/Inglês/Literaturas, pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat-2019).

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda em Linguística pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Linguística (PPGL), da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat). Graduada em Licenciatura em Letras Português/Inglês/Literaturas, pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat-2018).

##submission.authorWithAffiliation##

Pós-doutora em Linguística pela Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS-2018). Doutora em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE-2016). Docente Adjunto da Universidade Federal do Pará (UFPA). Docente Permanente do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT).

Referências

BARROS, E. M. Nova gramática da língua portuguesa. São Paulo: Atlas, 1985. p. 281-283.
CAMACHO, R. G. Sociolinguística. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001.
ALKMIM, T. M. Sociolinguística. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. (orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. 9. Ed., São Paulo: Cortez, 2011. p. 21-47.
AMÂNCIO, R. G. As “cidades trigêmeas”: Um estudo sobre atitudes linguístico-sociais e identidade. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas: Instituto de Estudos da Linguagem, 2007.
BAGNO, M.; GANGNÉ, G.; STUBBS, M. Língua materna, letramento, variação e ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.
BISINOTO, L. S. J. Atitudes sociolinguísticas: efeitos do processo migratório. Campinas: Pontes, 2007.
BISOL, L. Introdução os estudos de fonologia do português brasileiro. 3. Ed., 2001.
CASTILHO, A. T. de. A nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.
CEZARIO, M. M.; VOTRE, S. Sociolinguística. In: MARTELOTTA, M. E. Manual da linguística. São Paulo: Contexto, 2009.
LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008.
MAIA, E. M. No reino da fala: a linguagem e seus sons. 3. Ed., São Paulo: Ática, 1991.
MENDES, S. C. O uso de [ÃW] e [Õ] no falar da comunidade Corixa: atitudes e crenças linguísticas. LING. – Est. e Pesq., Catalão, v. 22, n. 2, jul./dez., 2018. p. 205-223. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/lep/article/download/57506/32748/. Acesso em: 24 jun. 2020.
MOLLICA, M. C. Fundamentação teórica: conceituação e delimitação. In: MOLLICA, M. C.; BRAGA, M. L. (orgs.). Introdução à sociolinguística: o tratamento da variação. 2. Ed., São Paulo: Contexto, 2004. p. 9-14.
MORI, A. C. Fonologia. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, v. 1, 2004.
PEDROSO, F. de S. Mídias faladas locais: um estudo sobre linguísticas em Cáceres-MT. Dissertação (Mestrado em Linguística), Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), 2018. 143 p. Disponível em: http://portal.unemat.br/media/files/Fernanda-de-Souza-Pedroso-Campelo.pdf. Acesso em: 26 jun. 2019.
SALOMÃO, A. C. B. Variação e mudança linguística: panorama e perspectivas da sociolinguística variacionista no Brasil. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 8, n. 2, jul./dez., 2011. p. 187-207. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/1984-8412.2011v8n2p187/21673. Acesso em: 25 jun. 2019.
SALOMÃO, A. C. Variação e mudança linguística: panorama e perspectivas da sociolinguística variacionista no Brasil. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 187-207, jul./dez., 2011.
SELKIRK, E. The Syllable. In: HULST; SMITH. (orgs.). The structure
phonological representations (Part II). Dordrecht Foris, 1982. p. 337-383.
TARALLO, F. A pesquisa sociolinguística. 3. Ed., São Paulo: Ática S.A., 1990.
WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. São Paulo: Parábola, 2006. [1968].
Publicado
2021-07-02
Como Citar
SILVA, Júlio Cezar Rodrigues da et al. A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO/DO FALAR CACERENSE: UM ESTUDO DO USO DOS ALOFONES AFRICADOS [ʤ] E [ʧ]. Web Revista SOCIODIALETO, [S.l.], v. 12, n. 34, p. 1 - 14, jul. 2021. ISSN 2178-1486. Disponível em: <http://sociodialeto.com.br/index.php/sociodialeto/article/view/376>. Acesso em: 18 set. 2021. doi: https://doi.org/10.48211/sociodialeto.v12i34.376.