REFLEXÕES DE ORDEM SOCIOLINGUÍSTICA: RELAÇÕES ENTRE A ALFABETIZAÇÃO E O SISTEMA FONOLÓGICO E O SISTEMA ORTOGRÁFICO. VARIAÇÃO E MUDANÇA

REFLECTIONS OF SOCIOLINGUISTIC ORDER: RELATIONS BETWEEN LITERACY AND THE PHONOLOGICAL SYSTEM AND THE ORTHOGRAPHIC SYSTEM. VARIATION AND CHANGE

Resumo

Neste trabalho, pretende-se, através de uma pesquisa bibliográfica, apresentar algumas considerações sobre o processo de Alfabetização, seus principais representantes e propostas para alfabetizar tanto crianças quanto adultos. Destaca-se a relação entre Sociolinguística e Alfabetização, observando a necessidade de mostrar a diferença da língua falada para língua escrita, do sistema fonológico para sistema ortográfico, objetivando sucesso na aplicação das estratégias selecionadas, uma vez que o objetivo principal é habilitar os falantes no uso das variedades linguísticas e usá-las adequadamente tanto na modalidade oral quanto na escrita. Reforça-se a ideia de que as línguas só existem através de seus usuários (o povo) e a história desse povo determina a história dessa língua, na identidade dessa comunidade linguística. À luz da Sociolinguística Variacionista são apresentados e comentados os resultados de pesquisa com trinta informantes (F I - 7 a 14 anos; F II -  15 a 25 anos; F III -  26 a 35 anos) em  uma comunidade rural baiana para evidenciar a ocorrência dos fenômenos linguísticos: semivocalização da consoante lateral palatal /ʎ/; rotacismo nos grupos consonantais; monotongação de /ey/ e /ow/; síncope nas palavras proparoxítonas e semivocalização do /l/ em posição final de sílaba que podem ajudar no entendimento das relações entre o sistema fonológico e o sistema ortográfico de alfabetização inicial. Apresentam-se principais características dos comportamentos da fala relacionados aos níveis: sintático-semântico, lexical e sintático. Ressalta-se que a proposta de isomorfia parcial entre a fala e a escrita traz implicações pedagógicas para a alfabetização. Esclarece a respeito das principais características da escrita ideográfica, escrita fonográfica, escrita silábica, escrita consonantal, escrita fonética e escrita alfabética ortográfica. Por fim, enfatiza-se que, à medida que se faz o estudo sincrônico da língua, o pesquisador constata que as variações são permitidas pelas regras subjacentes à estrutura/sistema linguístico, que funciona como salvaguarda da manutenção da língua.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professor Permanente do MPIES – Mestrado Profissional em Intervenção Educativa e Social / Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Professor lotado no Colegiado de Letras Vernáculas, DCH I, Salvador-Bahia / UNEB. Membro do Grupo de Pesquisa EPODS – Grupo de Pesquisa Educação, Políticas Públicas e Desenvolvimento Social. Membro do Grupo de Pesquisa NGEALC – Núcleo do Grupo de Estudos Africanos e Afro-brasileiros em Línguas e Culturas. Membro do Grupo de Pesquisa GCONPORT – Fala e contexto no português brasileiro / UNEB. Docente do Curso de Pedagogia da FVC – Fundação Visconde de Cairu.

##submission.authorWithAffiliation##

GCONPORT – Fala e contexto no português brasileiro / Universidade do Estado da Bahia.

 

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda do MPIES – Mestrado Profissional em Intervenção Educativa e Social / Universidade do Estado da Bahia, linha de pesquisa 1 – Novos Contextos de Aprendizagem.

Referências

ABAURRE, M. O que revelam os textos espontâneos sobre a representação que faz a criança do objeto escrito? In: SEMINÁRIOS DO GEL. (1987, Campinas). Anais. Campinas: UNICAMP, 1987, p.129-135.
CAGLIARI, L. C. Alfabetização e ortografia. Educar, Curitiba, n. 20, p. 43-58. 2002. Editora UFPR.
CAGLIARI, L. C. Alfabetização & Linguística. São Paulo: Scipione, 1989.
COSERIU, E. Do sentido do ensino da língua literária. Confluência – Revista do Instituto de Língua Portuguesa do Liceu Literário Português. Rio de Janeiro, n. 5, 1.º semestre de 1993, p. 29-47, 1993.
COSERIU, E. Sincronia, Diacronia e História. Madrid: Gredos, 1973. São Paulo: Presença/Editora da USP, 1978.
DESBORDES, F. Écriture et ambigïté d’après lês textes théoriques latins. Modèles linguistiques, 5: (2), p. 13-37,1983.
DINIZ, M. V. Métodos de alfabetização: pressupostos linguísticos. Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte: UFMG, 1987. p. 6-30.
FARACO, C. A. Linguística histórica: uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.
FERREIRO, E. Com todas as letras .São Paulo: Cortez, 1992.
FERREIRO, E. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 1989.
GERALDI, J. W. et al. Concepções de linguagem. In: O texto na sala de aula. Cascável: Assoeste, 1984.
LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
LABOV, W. Are Black and White vernaculars diverging? American Speech, 62 (1), 1987, p. 5 – 12.
LABOV, W. Sociolinguistic patterns. Philadelphia, University Pennsylvania Press,1972.
LABOV, W. Some souces of Reading problems for Negro speakers of non-standard english. In: FRAZIER, A. (org.). New Directions in Elementary English. Champaign: National Council of Teachers of English, 1967.
LABOV, W. The social Stratification of English in New York City. Washington, D. C.: Center for Applied Linguistics,1966.
LABOV, W. stages in the acquisition of standard English. In: R. W. SHUY. Social Dialects and Language Learning. Champaign; National Council of teachers of English,1964.
LABOV,W. The social motivation of sound change. Word, 19:273 – 307,1963.
LEMLE, M. Guia teórico do alfabetizador. São Paulo: Ática, 1987.
LEMLE, M. & NARO, A. J. Competências básicas do Português. Relatório final de pesquisa apresentado às instituições patrocinadoras MOBRAL e Fundação FORD. Rio de Janeiro. 1977.
LUCCHESI, D. Parâmetros Sociolinguísticos do português brasileiro. In: Revista da ABRALIN, vol.5, 1e 2, p. 83-112, dez. de 2006.
SANTOS, A. K. A. dos. Formação do educador alfabetizador e infância afrodescendente. In: SANTOS, A. K. Alves dos(org.). Alfabetização para a infância: perspectivas contemporâneas, vol I. Salvador: EDUFBA, 2010. cap. 5, p.93-117.
SAUSSURE, F. de. Curso de Linguística Geral. Tradução por Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1969.
SCHERRE, M. M. P. & NARO, A. J. A concordância de sujeito no português do Brasil: um caso típico de variação inerente. In: HORA, D. da. (org.) Diversidade linguística no Brasil. João Pessoa, Ideia, 1997. p.93-114.
SILVA-CORVALÁN, C. Sociolingüística: teoria y análisis. Madri: Alhambra, 1989.
SILVA, M. B. da. Leitura, ortografia e fonologia. São Paulo: Ática,1981.
SILVA NETO, S. da. 1963[1951]. Introdução ao estudo da língua portuguesa no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: INL
SOARES, M. Alfaletrar: toda criança pode aprender a ler e a escrever. São Paulo: Contexto, 2020.
SOARES, M. B. Alfabetização no Brasil: o estado do conhecimento. Brasília: Inep – Reduc, 1989.
VITORINO, C. C.; SOUZA, C. M. B. de. A Sociolinguística e os estudos linguísticos: breves reflexões. In: Cairu em Revista: sociedade, educação, gestão e sustentabilidade., n. 13, ano 9, agosto 2020. Salvador-Bahia. p. 198-203.
VITORINO, C. C. Compreensão sociolinguística da fala e escrita de indivíduos alfabetizados na zona rural. 1999.169 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1999.
WEINREICH, LABOV, HERZOG. Fundamentos Empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno, São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
Publicado
2021-06-30
Como Citar
VITORINO, César Costa; SOUZA, Constância Maria Borges de; SILVA, Cristina Barreto Santos da. REFLEXÕES DE ORDEM SOCIOLINGUÍSTICA: RELAÇÕES ENTRE A ALFABETIZAÇÃO E O SISTEMA FONOLÓGICO E O SISTEMA ORTOGRÁFICO. VARIAÇÃO E MUDANÇA. Web Revista SOCIODIALETO, [S.l.], v. 12, n. 34, p. 1 - 34, jun. 2021. ISSN 2178-1486. Disponível em: <http://sociodialeto.com.br/index.php/sociodialeto/article/view/373>. Acesso em: 18 set. 2021. doi: https://doi.org/10.48211/sociodialeto.v12i34.373.